ATsaúde - Tecnologia em prol da saúde

Notícia

Dados de Vida Real (Real-World Data), IoT e a Saúde

by André Marques dos Santos 913

Recentemente visualizamos um vídeo explicativo sobre o Real-World Data, junto desse encontramos um bom texto explicativo sobre o tema. O Real-Word Data cada vez mais vem ganhando força no meio em que vivemos, em paralelo a isso vemos o grande crescimento da Internet-of-Thing: IoT (saiba mais techtudo), a IoT tem ajudado substancialmente o Real-Word Data, essa ferramenta tem possibilitado uma maior quantidade de dados disponíveis para a análise e extração de informações relevantes para diversas áreas, não só para saúde. A seguir reproduzimos alguns trechos do texto encontrado.

Durante décadas, os ensaios clínicos randomizados têm sido o padrão ouro para demonstrar se um novo medicamento é seguro e eficaz.

Hoje em dia, no entanto, os pagadores, políticos e mesmo os pacientes estão exigindo mais. Eles querem saber como esse medicamento vai se comportar no mundo real que é imprevisível e complexo – em quais pacientes serão mais eficazes, como ele se compara com outros tratamentos, e quais tratamentos tem melhor custo-benefício.

A evidência do mundo real está trazendo essas respostas, em vez de apenas olhar para os efeitos da droga em um ambiente controlado (ensaio clínico), vamos entender o que acontece na prática clínica real“, e usar isso para dar insumos para a decisões de tratamento e reembolso, diz Glen Schumock , Pharm.D., Ph.D., professor e chefe do Departamento de Sistemas de Farmácia, Resultados e Política na Universidade de Illinois em Chicago.

Ensaios clínicos randomizados permanecem importantes

Isso não significa que os ensaios clínicos randomizado irão deixar de existir. Eles continuam sendo o padrão ouro para determinar se um novo medicamento é seguro e eficaz. Eles são obrigados pelos órgãos reguladores globais, incluindo os EUA Food and Drug Administration, a Agência Europeia de Medicamentos e muitos outros para a aprovação de novos medicamentos.

O Real-World Data responde a diferentes perguntas

Uma vez que um novo medicamento é aprovado, os médicos podem optar por receitar para os pacientes que diferem em alguns aspectos dos participantes nos ensaios clínicos. Eles podem ter outras condições de saúde, além da indicação ou doença aprovados, por exemplo, ou eles podem utilizar medicamentos adicionais que os participantes de ensaios clínicos não foram autorizados a utilizar. Como resultado, os ensaios clínicos não se adequam perfeitamente para prever o que vai acontecer no mundo real. A nova droga pode funcionar melhor em alguns pacientes do que outros, e os pacientes podem notar diferentes efeitos adversos do que os observados em ensaios clínicos.

Isso cria desafios para os pagadores, que devem decidir se desejam incluir medicamentos recém-aprovados em seus planos de saúde ou no próprio governo. A informação limitada dos ensaios clínicos pode não ser suficiente para tomar essas decisões. Aí é onde o Real-World Data pode desempenhar um papel importante.

Além disso, os reguladores e as empresas biofarmacêuticas tem usado o Real-World Data para monitorar o perfil de segurança dos medicamentos sujeitos a receita médica. Tal evidência pode levar a melhorias de etiqueta e extensões das indicações.

No final, você realmente precisa de ambos os tipos de estudos. Nós vamos continuar a ter ensaios clínicos randomizados como o padrão ouro para o desenvolvimento de drogas, mas também precisamos ter estudos de Fase 4, ou estudos para comparar a eficácia, ou ainda, Real-World Data.

Schumock

O vídeo a seguir traz um resumo sobre o conteúdo apresentado.

 
[fonte]
news.abbvie.com
youtube/real-world-evidence
youtube/IoT

André Marques dos Santos

Uma pessoa viciada em tecnologia, formado em Farmácia-Bioquímica pela USP e com muito afinidade pelo empreendedorismo. Procuro ampliar meus conhecimentos seja através de livros, cursos ou até mesmo ajudando outras pessoas e me desafiando durante esse processo. Atualmente amplio meu conhecimento em gestão e desenvolvimento de negócios para poder ajudar startups crescerem no mercado da saúde.